segunda-feira, 28 de setembro de 2009

O dia nasce.


Ela acorda sozinha, e sozinha se veste, nunca foi lá muito vaidosa.


Ao sair de casa, deixa sobre a mesa as palavras bonitas que dariam sentido a sua vida. Ao menos hoje.


Ela tem esse costume de esquecer tudo por onde vai. Todos acham que isso é um defeito. E ela não discorda, sorri meio sem graça, mas no fundo, ninguém sabe que ela sempre carrega o que não deve ser esquecido por ninguém. Carrega dentro de si.


Aquela frase perdida no meio da madrugada, o sorriso bonito de que se reconhece no outro, a mão que tocou a sua quando tudo pareceu nada.

Dessas coisas ela não ouve as pessoas falarem, elas não desconfiam as demasiadas coisas que ela traz junto de si.


E as palavras ela inventa agora, outras, que não dão sentido, mas fazem ela suportar o dia.
E as fazem dançar dentro de si, numa quase-festa. O dia ainda não nasceu, mas Alice sabe que as flores nunca tardam.


Haja setembro pra toda essa sua primavera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário